Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Histórico
Início do conteúdo da página

Histórico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- 23 de fevereiro de 1915: no início da 1ª Guerra Mundial, sob influência de oficiais conhecidos como “Jovens Turcos” (alusão aos militares incentivadores das reformas no Império Otomano), enviados para treinamento na Alemanha, foi criada a 3ª Brigada de Artilharia, no contexto da reorganização do Exército Brasileiro. A Brigada era composta por: Quartel General (QG); 1° Regimento de Artilharia Montada (1° RAM); 6° RAM; e 3° Grupo de Obuses(Artilharia Pesada), todos no Município do Rio de Janeiro, Capital e Distrito Federal de então. Posteriormente, em junho de 1919, foi transformada na 1ª Brigada de Artilharia.

 

- Agosto de 1938: a 1ª Brigada de Artilharia foi substituída pela Artilharia Divisionária da 1ª Divisão de Infantaria (1ªDI), na posterior reorganização do Exército Brasileiro, resultado da influência da Missão Francesa.

 

- Agosto de 1943: decidida a participação militar do Brasil na 2ª Guerra Mundial, foi criada a 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (1ª DIE) e constituído o núcleo da sua Artilharia Divisionária, sob o comando do Marechal OSWALDO CORDEIRO DE FARIAS.

 

- Setembro de 1944 a maio de 1945: a FEB combate e vence, na Itália, o inimigo nazifascista, apoiada pela Artilharia Divisionária da 1ª DIE. Após a Guerra, a 1ª DIE torna-se a 1ª Divisão de Infantaria (1ª DI).

 

- 11 de novembro de 1971: alterada a denominação da 1ª DI para 1ª Divisão de Exército (1ª DE), razão pela qual surge a denominação atual da Artilharia Divisionária da 1ª Divisão de Exército (AD/1).

 

- 26 de junho de 1981: a AD/1 recebe a denominação histórica de ARTILHARIA DIVISIONÁRIA “CORDEIRO DE FARIAS”, em homenagem ao seu comandante na 2ª Guerra Mundial.

 

- Julho de 2004: o QG da AD/1 é transferido da Vila Militar-RJ para o Forte Gragoatá, em Niterói-RJ.

 

- Dezembro de 2005: o QG da AD/1 é transferido para as instalações da histórica Fortaleza de Santa Cruz da Barra, também em Niterói, local onde se encontra atualmente.

 

“Sentinela Alerta! Alerta Estou!”

Fim do conteúdo da página